terça-feira, 12 de janeiro de 2016

EDUCAÇÃO FISCAL É TEMA DE REUNIÃO DA EQUIPE DA 3ª CRE

Autoridades e equipe da 3ª Coordenadoria Regional de Educação estiveram reunidos na quinta-feira, 07, na Secretaria de Educação de Teutônia para tratar de assuntos pertinentes à Educação Fiscal nas escolas da rede estadual e daquele município, seguindo a orientação da Seduc no que diz respeito a resgatar o tema e trazê-lo para o currículo escolar.

Estavam presentes Inara Krüger Bohmer, Secretária de Educação; Roseli Maria Hartmann, Coordenadora Ed. Fiscal; Laércio Klein, professor; Loraci Birck, professora responsável pela Educação Fiscal (3ª CRE); Anelise Beuren, Assessora do Ensino Fundamental (3ª CRE); e Iranice Bohn, Assessora de Gabinete (3ª CRE).

Na ocasião, foram lembradas as atividades já realizadas em Teutônia: estudos sobre o patrimônio público, talão do produtor rural, nota gaúcha, água como um bem de todos, entre outras.

Em 14 de junho deste ano, ocorrerá o Seminário Estadual de Educação Fiscal, em local a ser divulgado. Com o objetivo de apresentar trabalhos e atividades realizadas na área, o evento deve contar com a presença de escolas de toda a região de abrangência da 3ª CRE.




EDUCAÇÃO FISCAL

Educar significa formar para a autonomia, isto é, para se autogovernar. Um processo educacional somente será verdadeiramente autônomo e libertador se for capaz de preparar cidadãos conscientes e críticos, dotados das condições que lhes permitem entender os contextos históricos, sociais e econômicos em que estão inseridos.

            Segundo Gadotti, 1999, “Nosso tempo requer a formação desse novo cidadão consciente, sensível e responsável, que pense global e aja localmente, sendo capaz de intervir e modificar a realidade social excludente, a partir de sua Comunidade, tornando-se, assim, sujeito de sua própria história”.

            Nesse sentido, a Educação Fiscal pode contribuir oportunizando temas relativos à organização da vida em sociedade e suas implicações na garantia do estado democrático e da cidadania.

Assim, Educação Fiscal deve ser compreendida como uma abordagem didático-pedagógica capaz de interpretar as vertentes financeiras da arrecadação e dos atos públicos, estimulando o cidadão a compreender o seu dever de contribuir solidariamente em benefício do conjunto da sociedade e por outro lado, estar consciente da importância de sua participação no acompanhamento da aplicação dos recursos arrecadados, com justiça, transparência, honestidade e eficiência, minimizando o conflito de relação entre o cidadão contribuinte e o Estado arrecadador. A participação social só ocorre no ambiente democrático.

O programa de Educação Fiscal tem abrangência nacional e focaliza estudantes e profissionais da Educação Básica. Ainda destina-se, aos universitários, servidores e a sociedade em geral, desenvolvendo conteúdos e práticas sobre direitos e deveres recíprocos na relação-cidadã.

Durante o ano de 2016 as escolas da rede estadual poderão contar com Assessoria do Setor Pedagógico da 3ª CRE com estudos, propostas de atividades, interativas e lúdicas, referentes à Educação Fiscal.

A proposta é integrar as escolas estaduais nas atividades municipais para contribuir, somar e participar das atividades nos municípios que já criaram a portaria que designa o Grupo Municipal da Educação Fiscal. 

Texto: Bárbara Scheibler Delazeri e Loraci Birck
Foto: divulgação

Nenhum comentário:

Postar um comentário